Auditando - Odibar J. Lampeao

Fevereiro 28 2012

Para as pessoas leigas em assuntos afectos à auditoria, parece que os auditores têm parentesco com os “arqueólogos”, pois vivem “remexendo” no passado.


Porém definitivamente a auditoria não vive somente de dados passados, muito embora a auditoria financeira, basicamente é alicerçada neste conceito. Dentro das várias ramificações interessantes da auditoria, talvez a que agregue maior valor aos accionistas seja a auditoria de gestão.

 

Por auditoria de gestão, entende-se como sendo, a “revisão, avaliação, emissão de opinião de processos e resultados exercidos em linhas de negócios, produtos, serviços no horizonte temporal presente/futuro”. (GIL, 1999, p. 21, Auditoria Operacional e de Gestão).

 

Pela definição, podemos perceber claramente que este desmembramento da auditoria está voltado para os fatos que estão ocorrendo, ou que ainda não ocorreram, em linha com pensamento mais modernos dos administradores, cujos resultados efectivamente contribuem para a correcção de rumos tempestivamente.

 

A auditoria de gestão deve estar muito mais vinculada à “função auditoria”, dentro de uma visão sistémica, onde todas as pessoas envolvidas na tomada de decisões, deveriam ter a preocupação de análise de riscos e conhecimento amplo das linhas de negócios da empresa/cliente.

 

A auditoria de gestão deve estar centrada em situações empresariais de maior risco para a continuidade dos negócios, proporcionando às organizações recomendações factíveis que auxiliem na tomada de decisões, corrigindo rumos e buscando sempre a máxima eficácia administrativa dos dirigentes das corporações.

 

OBJECTIVOS DA AUDITORIA DE GESTÃO E SUA CARACTERIZAÇÃO

 

Dentro da filosofia da auditoria de gestão, poderíamos citar como objectivos principais:

  • Participação da auditoria interna em todos os momentos empresarias. Onde o responsável pela auditoria interna poderia estar participando de comités de negócios, grupos de planeamento estratégico, reuniões da qualidade, visando a total integração e conhecimento detalhado das actividades da empresa, principalmente daquelas vinculadas às tomadas de decisões. Foco da “actividade de auditoria” com participação inovadora.
  • Deveria haver ciclos de estudos internos nas empresas sobre a “actividade de auditoria”, onde a busca do conhecimento seria disseminado para todos os executivos, gestores da empresa, antecipando e prospectando cenários no ambiente de cada organização.
  • Avaliação de indicadores não monetários. A auditoria de gestão deve estar voltada para o estabelecimento de padrões de excelência empresarial, através de avaliação de novas métricas, que não necessariamente estejam voltadas para itens monetários. Sob o enfoque da qualidade organizacional, a auditoria de gestão deve fazer parte do ciclo de planeamento, execução, controle, como uma nova função administrativa, voltada para a mensuração dos resultados da administração.

 

FONTE: Adaptado do original: Auditoria como instrumento de gestão. In Revista Contabil e Empresarial. http://www.netlegis.com.br/indexRC.jsp?arquivo=/detalhesDestaques.jsp?cod=11361 acedido a 28 de Fevereiro de 2012.

publicado por ojpeao às 19:24

Fevereiro 28 2012

A auditoria operacional tem por objetivo a revisão metodológica da atividade ou segmentos operacionais, buscando avaliar se os recursos da rganização estão sendo usados de maneira eficaz e eficiente para atingir os objetivos operacionais. É um processo de avaliação de riscos e de sistemas de ontroles internos inerentes à atividade operacional, comparado com o esperado, o que propicia, inevitavelmente, a apresentação de recomendações destinadas a melhorar o desempenho e aumentar o êxito da organização, à luz das mais modernas técnicas de execução desses serviços.

 

Assim, a priorização dos projetos de auditoria inicia-se com a definição dos Fatores de Risco considerados mais importantes para a Empresa. Essa definição deve ser feita em conjunto com os executivos da Empresa e deve levar em consideração, dentre outros aspectos, as maiores preocupações da Alta Administração com relação aos riscos inerentes ao desenvolvimento dos negócios e ao ambiente de controles internos da Empresa como um todo.

 

A fase de avaliação dos Fatores de Risco é, talvez, a mais importante no desenvolvimento de um processo de auditoria operacional, haja vista que dessa avaliação será delineado todo o processo de planejamento dos trabalhos a serem executados, sua extensão e seus resultados esperados.

Além da avaliação dos controles internos, necessária para a realização da auditoria das demonstrações contabilisticas, a auditoria operacional incide sobre as seguintes áreas:

  • Compras, Contas a Pagar e Pagamentos;
  • Custos,Controle da Produção e Estoques;
  • Vendas,Contas a Receber, Recebimentos;
  • Contabilidade Fiscal;
  • Pessoal e Folha de Pagamento;
  • Segurança e Higine do Trabalho;
  • Contratos com Terceiros;

 

 FONTE: Adaptado de: Auditoria Operacional. AUDIPER, http://www.audiper.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=27&Itemid=68
acedido a 28 de Fevereiro de 2012.

publicado por ojpeao às 18:06

Fevereiro 22 2012

 

Texto original "10 Steps of the Audit Process".

 

Lei e perceba sobre os 10 passos do processo de Auditoria. texto em ingles.

 

Para ler clique aqui.

 

publicado por ojpeao às 19:42

Espaço promovido com o intuito de fornecer alguma informaçao aos interessados em Auditoria e Iniciantes no conhecimento da mesma. Especialmente para os estudantes que me têm como coordenador nesta área de conhecimento. Dúvidas, ojpeao@hotmail.com
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
29


Os nossos recados, clique em enviar mensagem
Contador de visitas no Auditando
pesquisar
 
comentários recentes
Entre em contacto por favor com o ojpeao@gmail.com...
Gostaria que artigos do meu site fossem publicados...
Gostei!
Em breve voltarei
Olá :)Este blog tem andado muito "sossegado", faz ...
O som e pessimo. Nao entendi uma palavra!
Muito obrigado,cumprimento
RSS
blogs SAPO